Home care as a possibility of art expression, creativity and access to technology: An analysis on the subject

Janice de Moraes Blois, Maria do Horto Fontoura Cartana, Grace T.M. Dal Sasso, Cleusa Rios Martins

Abstract


This study is a reflection about art, creativity and technologies applied to nursing, within the process of contemporary care, particularly about the home care user and in the light on integral care. Over the last decades, the Brazilian Public Health System has gone through deep changes in its political, judicial and organizational elements, with an expressive expansion of the health assistance given to the population. The Home Care Policy comes as an initiative to implement new assistance logics, focusing on the promotion of the health and the prevention of health problems, aiming to overcome the “hospital-centered” model and in favor of the autonomy. We have realized that this policy is a possibility to express a broader way to understand health, in a search to organize the different skills and multi-professional practices and the interaction with the users. The concepts of art, creativity and technology are developed, relating them to the home care in the user’s perspective

Keywords


nursing, home care, home care services

Full Text:

HTML

References


Dal Sasso GTM, Martins CR. Arte, criatividade e tecnologia em saúde. Florianópolis: PEN/UFSC; primeiro semestre, 2006. [Material disponibilizado na disciplina NFR 4132 do Curso de Doutorado em Enfermagem – PEN/UFSC].

Tavares CMM, Branchat MA, Conceição S, Knust R. Therapeutical activities as technologies of caring in mental health. Online Braz J Nurs [on line] 2002 [acesso em 2006 Ago 16];1(2):[aproxim. 8 p.]. Disponível em: www.uff.br/nepae/objn102tavaresetal.htm.

Marcondes WB. A convergência de referências na promoção da saúde. Saúde Soc 2004 jan/abr;13(1):5-13.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria 2.416, de 23 de março de 1998. Estabelece requisitos para credenciamento de hospitais e critérios para a realização de internação domiciliar no SUS. [acesso em 2005 Set 27]; D.O.U.; Seção 1, p.106 (26 Mar, 1998). Disponível em: http://drt2001.saude.gov.br/sas/portarias/port98/GM/GM-2416html.

ANVISA. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. RDC n° 11/2006, de 26 de janeiro de 2006. Dispõe sobre o regulamento técnico de funcionamento de serviços que prestam atenção domiciliar. [acesso em 30 Out 2006]. D.O.U.; Poder Executivo (30 Jan, 2006). Disponível em: http://www.anvisa.gov.br/legis/Resol/2006/rdc/11_06.pdf.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria n° 2.529, de 19 de outubro de 2006. Institui a internação domiciliar no âmbito do SUS. [acesso em 01 nov. 2006]; D.O.U.; Seção 1, n. 202, p. 145 (20 Out, 2006). Disponível em: http://www.ciape.org.br/AtendDom2529.pdf.

Brasil. Ministério da Saúde. Lei n° 8.080, de 19 de setembro de 1990. Dispõe sobre as condições de promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e funcionamento de serviços correspondentes e dá outras providências. [acesso em 2005 set 27]; D.O.U.; (20 nov, 1990). Disponível em: http://portal.saude.gov.br/portal/arquivos/pdf/LEI8080.pdf.

Portal Humaniza.org.br. Humanização da saúde. Manual do PNHAH - Programa Nacional de Humanização da Assistência Hospitalar. Brasília: PNHAH; 2000/2001. [acesso em 20 mar 2001]; Disponível em: http://www.portalhumaniza.org.br/ph/dados/anexos/80_2.doc.

Ferla AA, Ceccim RB, Pelegrini MLM. Atendimento integral: a escuta da gestão estadual do SUS In: Pinheiro R, Mattos RA. Organizadores. Construção da integralidade: cotidiano, saberes e práticas em saúde. 2ª ed. Rio de Janeiro: IMS-UERJ; 2003. p. 61-88.

Merhy EE, Magalhães Júnior HM, Rímoli J, Franco TB, Bueno WS. Organizadores. O trabalho em saúde: olhando e experenciando o SUS no cotidiano. 2ª ed. São Paulo: Hucitec; 2004.

Martins CR. A imaginação e o sentido no cuidado de enfermagem. [Tese]. Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina. Programa de Pós-Graduação em Enfermagem; 1999. 171f.

Ostrower F. A sensibilidade do intelecto. 5ª ed. Rio de Janeiro: Campus; 1998.

Gelb MJ. Aprenda a pensar com Leonardo Da Vinci. São Paulo: Atica; 2000.

Ferreira ABH. Novo dicionário Aurélio da língua portuguesa. 2ª ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira; 1986. Ator; p. 195.

Ferreira ABH. Novo dicionário Aurélio da língua portuguesa. 2ª ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira; 1986. Autor; p. 204.




DOI: https://doi.org/10.5935/1676-4285.20081373