2834objn901aragaoetal Online braz j nurs

Profile of disabled people of a parish in the Diocese of Sobral-Ceará: quantitative study

Perfil das pessoas com deficiência de uma paróquia da Diocese de Sobral-Ceará: um estudo quantitativo

Perfil de las personas con deficiencias de una parróquia de la Diócesis de Sobral-Ceará: un estudio cuantitativo 

Antonia Eliana de Araújo Aragão1, Keila Maria de Azevedo Ponte1, Lorita Marlena Freitag Pagliuca2, Maria Adelane Monteiro da Silva2, Adriana Gomes Nogueira Ferreira1,3, Paulo César Pereira Sousa1 

1 Instituto Superior de Teologia Aplicada, CE, Brasil; 2 Universidade Federal do Ceará, CE,Brasil; 3 Universidade Estadual Vale do Acaraú, CE, Brasil.

Abstract: The results of some studies related to volunteer activities performed in the Catholic Church helped to develop this study. Objective: Study with the aim of outlining the profile of disabled people living in the Parish of the Risen Christ in the Diocese of Sobral-Ceará. Method: This is a study with a quantitative approach, carried out from July to September 2009, with 117 deficient residents within the Parish of the Risen Christ in Sobral, Ceará. Data were collected using a questionnaire with closed questions. Results: Were shown the following rates: aged 21 to 59 years (51.28%), unmarried (50.43%), pensioners (42.74%), with an income of one minimum salary (53.85%) and uneducated (75.21%). Own their own homes (71.79%), with tap water (76.92%), electricity (95.73%), garbage collection (73.50%), bathroom with toilet (71.79%). Stands out mental retardation, present in 35.90% of the participants and congenital deficiencies 41.03%. Multivariate analysis identified three significant factors associated with the origin (district or  headquarters) of subjects: Water supply (p <0.000), electricity (p <0.000) and garbage collection (p <0.000). Conclusion: The low socioeconomic status may contribute to deficient people unaware of their rights. Health professionals who care for these people need to be aware of this problem, know the laws that hold and encourage them to fight for their rights. Nurses should be inserted in this process, which strengthens the development of their social role as an occupational category in the health field.

keywords: Health Profile; Disabled Persons; Nursing 

Resumo: Os resultados de alguns estudos associados às atividades voluntárias realizadas na Igreja Católica contribuíram para desenvolver este estudo. Objetivo traçar o perfil das pessoas com deficiência residentes na Paróquia do Cristo Ressuscitado, na Diocese de Sobral - Ceará. Método: Trata-se de um estudo com abordagem quantitativa, realizado no período de julho a setembro de 2009, com 117 pessoas com deficiência residentes no território da paróquia citada. Os dados foram coletados por meio de formulário com perguntas fechadas. Resultados: Foram evidenciadas as seguintes prevalências: idade entre 21 e 59 anos (51,28%), solteiros (50,43%), aposentados (42,74%), com renda de um salário mínimo (53,85%) e sem instrução (75,21%). Possuem casa própria (71,79%), com água encanada (76,92%), energia elétrica (95,73%), coleta de lixo (73,50%), banheiro com sanitário (71,79%) Destaca-se a deficiência mental presente em 35,90% dos participantes e as deficiências congênitas em 41,03%. A análise multivariada identificou três fatores estatisticamente significativos associados à origem (sede ou distrito) dos indivíduos: Água encanada (p < 0,000), iluminação elétrica (p < 0,000) e coleta de lixo (p < 0,000). Conclusão: A baixa condição socioeconômica pode contribuir para que as pessoas com deficiência desconheçam seus direitos. Os profissionais de saúde que cuidam dessas pessoas precisam estar sensibilizados para esta problemática, conhecer as leis que os amparam e estimulá-los na luta pelos seus direitos. A enfermagem precisa estar inserida nesse processo, o qual fortalece o desenvolvimento de seu papel social enquanto categoria profissional da área da saúde.

Palavras-Chave: Perfil de saúde; Pessoas com deficiência; Enfermagem

Resumem: Los resultados de algunos estudios asociados a las actividades voluntarias realizadas en la iglesia católica contribuyeron a desarrollar este estudio. Objetivo: Estudio con el objetivo de trazar el perfil de las personas com deficiencias, residentes en la Parróquia del Cristo Resuscitado en la Diócesis de Sobral-Ceará. Método: Se trata de un estudio con abordaje cuantitativo, realizado en el periodo de julio a septiembre de 2009, con 117 personas con deficiencias, residentes en el territorio de la Parróquia del Cristo Resuscitado en Sobral, Ceará. Resultados: Los datos fueron colectados mediante formulario con preguntas cerradas. Fueron evidenciadas las siguientes prevalencias: edad entre 21 y 59 años (51,28%), solteros (50,43%), jubilados (42,74%), com renta de um salario mínimo (53,85%) y sin instrucción (75,21%). Poseen casa propia (71,79%), con agua corriente (76,92%), energia eléctrica (95,73%), recogida de basura (73,50%), lavabo con sanitario (71,79%) Se destaca la deficiencia mental presente en 35,90% de los participantes y las deficiencias congénitas 41,03%. El análisis multivariado identificó tres factores estadisticamente significativos asociados al origen (sede o distrito) de los indivíduos: Agua corriente (p< 0,000), iluminación eléctrica (p< 0,000) y recogida de basuras (p< 0,000). Conclusion: La baja condición socio-económica puede contribuir a que las personas con deficiencias desconozcan sus derechos. Los profesionales de salud que cuidan de estas persoas necesitan estar sensibilizados con esta problemática, conocer las leyes que los amparan y estimularlos en la lucha por sus derechos. La enfermería necesita estar inserida en este proceso, lo que fortalece el desarrollo de su papel social como categoría profesional del área de salud.

Palabras-Clave: Perfil de Salud; Personas con Discapacidad; enfermería

Introdução

As pessoas com deficiência compõem uma parcela da sociedade ainda estigmatizada, por isso, devem travar constantes lutas pela inclusão. O comprometimento dos enfermeiros com estas pessoas significa relevante contribuição, quando preparados para atendê-los em suas necessidades individuais e coletivas. Porém, estudos mostram que a academia não inclui essa temática na grade curricular(1). A participação em Projeto de pesquisa sobre a Acessibilidade da Pessoa com Deficiência aos Serviços de Saúde possibilitou aproximação com o tema e o desenvolvimento de estudos na área da acessibilidade das pessoas com deficiência, tanto aos serviços hospitalares, quanto aos serviços de saúde, da cidade de Sobral - Ceará(2,3,4,5). Referidos estudos revelaram a inacessibilidade aos espaços destinados ao atendimento e a assistência, que deveria ser acessível às pessoas independente de ter ou não uma deficiência.

            Tais resultados, associados às atividades voluntárias realizadas nas pastorais sociais da Igreja Católica, contribuíram para os questionamentos acerca do perfil das pessoas residentes na Paróquia do Cristo Ressuscitado.

Essas reflexões conduzem à compreensão da responsabilidade social do enfermeiro no sentido de encorajar as pessoas com deficiência a exercer seus direitos. A deficiência é demarcada pela perda de alguma das funções do ser humano, a qual poderá ser física, psicológica ou sensorial. Dessa maneira, a pessoa pode ter uma deficiência, porém, isso não significa que a mesma seja incapaz, e ainda, a incapacidade poderá ser minimizada quando o acesso for proporcionado pelo meio(6).

É comum, na prática dos enfermeiros, o cumprimento de normas e rotinas, irrefletidas acerca das dificuldades dessas pessoas. Por isso, se percebe uma fragmentação na adesão à causa da pessoa com deficiência. Nesse sentido, o estudo possibilitará a sociabilidade das pessoas com deficiência, residentes no território da Paróquia do Cristo Ressuscitado, por meio de seu reconhecimento na comunidade. Identificar quantas são as pessoas com deficiência e como elas vivem, qual o seu nível socioeconômico e cultural, quais as condições de moradia e conhecer o que caracteriza a sua deficiência, possibilitará a inserção e participação destas na comunidade.

Diante disso, o estudo tem como objetivo traçar o perfil das pessoas com deficiência residentes no território de uma paróquia da Diocese de Sobral - Ceará. 

Metodologia 

Estudo exploratório com abordagem quantitativa, realizado na Paróquia do Cristo Ressuscitado da Diocese de Sobral - Ceará. O município de Sobral está localizado na Região Norte do Estado do Ceará, distante 240km de Fortaleza, atualmente é composto por 38 paróquias, entre as quais se encontra a paróquia em estudo. Esta é composta por vinte e cinco comunidades: quatro localizadas na zona urbana e vinte e uma na zona rural (distritos), habitadas por 24595 pessoas(7)  . A população do estudo correspondeu as pessoas com qualquer tipo de deficiência residentes nessas comunidades. Como não há um censo para levantamento dessa população, contou-se com o apoio dos agentes pastorais de cada comunidade para identificação e convite dos participantes da pesquisa, Desta forma, a amostra do estudo foi selecionada de forma não-probabilistica, sendo constituída por aqueles que compareceram aos locais previamente agendados, perfazendo um total de 117 pessoas com deficiência, 52 residentes na sede e 65 no distrito.

Os locais corresponderam as igrejas e capelas de cada comunidade. A coleta de dados foi realizada no período de julho a setembro de 2009, por meio da aplicação de um formulário Os resultados estão apresentados em forma de tabelas, tabulados e analisados no software Epi info versão 6.04. A análise descritiva ocorreu através do cálculo de frequências. Para os dados nominais utilizaram-se os testes Qui-quadrados (xª). Em todas as análises foram considerados significantes os resultados obtidos com p < 0,05 para um intervalo de confiança de 95%.

Respeitaram-se os aspectos éticos postulados na Resolução 196/96, de forma que todos os sujeitos da pesquisa assinaram o Termo de Consentimento Livre e Esclarecido – TCLE.  Ressalta-se que quanto aos menores de dezoito anos, assim como as pessoas com deficiência mental, o TCLE foi assinado pelos responsáveis legais. O projeto foi aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa da Universidade Estadual Vale do Acaraú sob o protocolo nº 114.

 Resultados 

As deficiências, de um modo geral, permeiam a vida das pessoas e podem se apresentar a qualquer momento. Nesse estudo, a faixa etária prevalente foi de 21 a 59 anos (51,28%), seguida pelas pessoas acima de 60 anos (29,06%). Evidenciou-se ainda conforme a tabela 1, que 50,43% das pessoas em estudo eram solteiras, seguidas pelas casadas (29,06%). Como ocupação constatou-se que 42,74% eram aposentadas, 53,85% tinha renda de um salário mínimo, seguida por 42,74% que correspondiam às pessoas não tinham nenhum tipo de renda formal. A variável escolaridade está representada por 75,21% das pessoas analfabetas e 20,51% dessas pessoas com ensino fundamental. Quanto à religião, verificou-se que 84,62% são católicas e 15,38% pertencem a outras religiões. 

Tabela 1. Distribuição do Nível Socioeconômico Cultural das Pessoas com Deficiência residentes na Paróquia do Cristo Ressuscitado – Sobral - Ceará, 2009

IDADE

SEDE

DISTRITO

TOTAL

%

%

%

<10 Anos

6

11,54

3

4,62

9

7,69

11-20 Anos

4

7,69

10

15,38

14

11,97

21-59 Anos

27

51,92

33

50,77

60

51,28

>60 Anos

15

28,85

19

29,23

34

29,06

Total

52

100

65

100

117

100

ESTADO CIVIL

 

Solteiro

28

53,85

31

47,69

59

50,43

Casado

16

30,77

18

27,69

34

29,06

Viúvo

6

11,54

11

16,92

17

14,53

NR

2

3,85

5

7,69

7

5,98

Total

52

100

65

100

117

100

RELIGIÃO

 

Católico

44

84,615

55

84,62

99

84,62

Outros

8

15,38

10

15,38

18

15,38

Total

52

100

65

100

117

100

OCUPAÇÃO

 

Aposentado

18

34,62

32

49,23

50

42,74

Do lar

10

19,23

5

7,69

15

12,82

Outros

24

46,15

28

43,08

52

44,44

Total

52

100

65

100

117

100

RENDA EM SALÁRIO MÍNIMO (SM)

 

Um Salário Mínimo

26

50

37

56,92

63

53,85

2 a 3 Salários Mínimos

3

5,77

1

1,54

4

3,41

 Sem Renda Formal

23

44,23

27

41,54

50

42,74

Total

52

100

65

100

117

100

ESCOLARIDADE

Analfabeto

36

69,23

52

80

88

75,21

Fundamental

11

21,15

13

20

24

20,51

Médio Completo

5

9,62

0

0

5

4,27

Total

52

100

65

100

117

100

NR= Nenhuma das respostas anteriores 

No que diz respeito às condições de moradia, identificou-se  de acordo com a tabela 2, que 35,05% das pessoas residiam com cônjuge, 31,62% moravam com os pais; 71,79% das pessoas possuíam casa própria; 85,47% das residências eram de alvenaria; 76,92% tinham água encanada, 95,73% possuía energia elétrica; 73,50% dos participantes eram beneficiados com o sistema de coleta de lixo; e 71,79% das casas possuíam banheiro com sanitário.  

Tabela 2. Distribuição das Condições de Moradia das Pessoas com Deficiência da Paróquia do Cristo Ressuscitado – Sobral - Ceará, 2009

 

SEDE

DISTRITO

TOTAL

MORADIA

%

%

%

Casa Própria

40

76,92

44

67,69

84

71,79

Casa Alugada

9

17,31

3

4,62

12

10,26

Outras

3

5,77

18

27,69

21

17,95

Total

52

100

65

100

117

100

NATUREZA

 

 

 

 

 

 

Alvenaria

50

96,15

50

76,92

100

85,47

Taipa

0

0

8

12,31

8

6,84

Outras

2

3,85

7

10,77

9

7,69

Total

52

100

65

100

117

100

ÁGUA ENCANADA

Sim

50

96,15

40

61,54

90

76,92

Não

2

3,85

25

38,46

27

23,08

Total

52

100

65

100

117

100

ILUMINAÇÃO ELÉTRICA

Sim

50

96,15

62

95,38

112

95,73

Não

2

3,85

3

4,62

5

4,27

Total

52

100

65

100

117

100

COLETA DE LIXO

Sim

50

96,15

36

55,38

86

73,50

Não

2

3,85

29

44,62

31

26,50

Total

52

100

65

100

117

100

BANHEIRO COM SANITÁRIO

Sim

52

100

32

49,23

84

71,79

Não

0

0

33

50,77

33

28,21

Total

52

100

65

100

117

100

 COM QUEM RESIDE

Pai ou mãe

25

48,08

12

18,46

37

31,62

Avós

5

9,62

6

9,23

11

9,40

Irmãos

8

15,385

0

0

8

6,84

Cônjuge

10

19,23

31

47,69

41

35,05

Outros

4

7,69

16

24,62

20

17,09

Total

52

100

65

100

117

100

As pessoas com deficiência apresentam necessidades inerentes ao tipo de deficiência que possuem. Nesse estudo, de acordo com a tabela 3, verifica-se que ocorreu a prevalência da deficiência mental, representada por 35,90%; seguida pela deficiência física (27,35%). Quanto às causas de deficiência destaca-se a deficiência adquirida (58,97%) 

Tabela 3. Distribuição das Pessoas com Deficiência da Paróquia do Cristo Ressuscitado, de acordo com a Caracterização da Deficiência – Sobral - Ceará, 2009

 

SEDE

DISTRITO

TOTAL

TIPO DE DEFICIÊNCIA

%

%

%

Mental

20

38,46

22

33,85

42

35,90

Surdez

9

17,31

5

7,69

14

11,97

Cegueira

14

26,92

10

15,38

24

20,51

Deficiências físicas

7

13,46

25

38,46

32

27,35

Outros

2

3,85

3

4,62

5

4,27

Total

52

100

65

100

117

100

CAUSA DA DEFICÊNCIA

Congênita

22

42,31

26

40

48

41,03

Adquirida

30

57,69

39

60,00

69

58,97

Total

52

100

65

100

117

100

 

            Nesse estudo, foram identificadas diferenças estatísticas significativas entre as variáveis: água encanada, iluminação elétrica e coleta de lixo quando comparados os indivíduos de origem da sede e distrito. Evidencia-se que a pessoa com deficiência física residente na sede que possui água encanada, luz elétrica e coleta de lixo foi estatisticamente significante (p= 0, 000), quando comparada à que mora no distrito. Isso relata uma melhor qualidade de vida dos moradores originados da sede. No entanto, não houve diferença estatística entre a origem dos indivíduos e a variável analisada “pessoas com idade > 60 anos” (p= 0, 886).  

Tabela 4. Associação entre as variáveis estudadas das Pessoas com deficiência da Paróquia do Cristo Ressuscitado – Sobral - Ceará, 2009

VARIÁVEIS

ORIGEM

p*

SEDE(%)

DISTRITO(%)

PACIENTES COM IDADE > 60 ANOS

 

 

 

 

Sim

44

 

56

 

0,886*

 

Não

45

 

55

 

 

 

ESCOLARIDADE

 

 

 

 

 

 

Ensino Médio Completo

100

 

0

 

 

Sem Instrução

40

 

55

 

 

 

ÁGUA ENCANADA

 

 

 

 

 

 

Sim

95

 

5

 

0,000*

 

Não

62

 

38

 

 

 

ILUMINAÇÃO ELÉTRICA

 

 

 

 

 

Sim

95

 

5

 

0,000*

 

Não

95

 

5

 

 

 

COLETA DE LIXO

 

 

 

 

 

 

Sim

95

 

5

 

0,000*

 

Não

49

 

51

 

 

 

BANHEIRO COM SANITÁRIO

 

 

 

 

 

Sim

100

 

0

 

 

Não

49

 

51

 

 

 

*Teste estatístico aplicado = Qui-quadrado.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Discussão

Ao analisar os resultados referentes às faixas etárias prevalentes, julgamos que os resultados possam estar associados a fatores desencadeantes, como por exemplo, acidentes de trânsito, urbano e de trabalho, assim como as doenças crônicas não transmissíveis, pois, das 65,6 milhões de pessoas de 10 anos ou mais de idade que compõem a população ocupada no País, nove milhões são portadores de alguma deficiência(8).

Dessa maneira, existe um grande contigente de pessoas acometidas por algum tipo de deficiência, podendo os profissionais de saúde se deparar com esse público no cotidiano de suas ações. Portanto, estes devem estar preparados para lidar com as situações envolvidas no contexto das pessoas com deficiência, compreendendo que elas têm igual direito a vida e buscando sua inclusão na sociedade. Os dados apresentados na tabela 1 expressa o nível socioeconômico das pessoas com deficiência em estudo. Tal realidade aponta para as conquistas que precisam ser alcançadas pelas pessoas com deficiência, como, por exemplo, acesso à escolaridade e a um salário digno. Porém, ressalta-se que tais conquistas implicam em políticas públicas que contemplem todas as classes sociais, independente de ter ou não uma deficiência de qualquer natureza. O Brasil é um dos países do mundo com desigualdades socioeconômicas mais destacadas(8).

 A educação representa talvez a principal ferramenta para todas as demais conquistas, pois a capacitação da pessoa no processo de compreensão de mundo, aprendizagem, participação, inclusão ao mercado de trabalho fornece os meios necessários ao fortalecimento da cidadania. Dessa forma, destacam-se a educação escolar, a qual deve atingir todas as crianças, adolescentes, jovens e adultos. Acredita-se que a precariedade econômica, a crença religiosa, a limitação proporcionada pela incapacidade física ou sensorial, funcionam como atributos pessoais para assegurar o lugar que o indivíduo ocupa, entretanto, o lugar social do indivíduo é passível de estabilização ou estranhamento, caso ele venha a perder suas referências(9).

Os resultados apontam para a inacessibilidade à educação básica. É necessária a sensibilização das pessoas consideradas normais, assim como, o olhar dos profissionais de saúde voltado à informação e à orientação sobre os direitos da pessoa com deficiência, com vistas a alcançar a equidade de maneira que os aspectos socioeconômicos e humanos devem espelhar o modelo de saúde posto em prática por determinada sociedade, deve associar o rápido progresso científico a uma programação aplicável(10).

A deficiência de escolaridade talvez contribua para a dependência de terceiros, conformismo com a situação de aposentadoria por invalidez e, consequentemente, a baixa renda representada por um salario mínimo. Porém, é possível compreender que o Brasil do passado apresentava maiores dificuldade de acesso, inclusive de expressão. Isso se apresentava como imposição e impossibilidade de autonomia das pessoas menos favorecidas.

Como se evidenciam nos resultados, a variável idade culmina com o período de possibilidade de erradicação da poliomielite no Brasil, pois, o programa Nacional de Imunização (PNI) é um grande programa do Ministério da Saúde, responsável pela prevenção de doenças imunopreviníveis existentes há 35 anos, com o propósito de controle, eliminação e erradicação de doenças em todo o Brasil. O programa tornou-se referência internacional em imunização(11).

Assim, a partir de 1980, as ações de saúde pública, foram implementadas por meio das campanhas de imunização, de forma que conseguiram erradicar a poliomielite. Porém, as sequelas continuam presentes na sociedade. As pessoas vítimas de poliomielite eram caracterizadas como aleijadas ou inválidas, estigmatizadas, excluídas do convívio social e das atividades consideradas normais. Para transformar essa realidade, a Assembléia Geral da ONU, ocorrida em 1990, enfatizou o modelo de sociedade inclusiva, baseado no princípio de que todas as pessoas têm o mesmo valor. Dessa maneira, a sociedade deve empenhar-se para atender as diferentes necessidades de cada cidadão(12).

Apesar de existir um padrão favorável de organização relacionado às condições de moradia, destaca-se a falta de alguns aspectos para suprir as necessidades básicas do indivíduo, quando analisamos os dados referentes à zona rural. Ressalta-se que 45 milhões de cidadãos carecem de serviços de água potável. Nas áreas rurais, mais de 80% das moradias não são servidas por redes gerais de abastecimento de água no Brasil. O serviço de coleta de lixo não atende a 16 milhões de brasileiros(13). Considera-se que somente a partir do empenho da sociedade e da própria pessoa com deficiência, com vistas a atender suas necessidades individuais e coletivas, é que ocorrerá uma transformação dessa realidade.

Os resultados apontam para a necessidade da pessoa com deficiencia exercitar sua autonomia em busca de inclusão social independente da deficiência. Nesse sentido, a autonomia e a utilização segura de edificações, incluindo mobiliário e equipamentos urbanos, poderão garantir os direitos humanos fundamentais(14).

            É preciso romper com os tradicionais paradigmas segregativos e buscar a adoção de procedimentos que possam contribuir para garantir a essa significativa parcela da população, as condições necessárias à sua participação como sujeitos sociais. Acredita-se que os resultados apontados nesse estudo se encontram associados à falta de informação e de conhecimento da legislação das pessoas com deficiência, assim como a baixa estima frente a possíveis dificuldades para a sua comunicação com as pessoas detentoras de características consideradas normais pela sociedade. As pessoas com deficiência de qualquer natureza precisam superarar todas as formas de limitação, devendo, portanto, se organizarem para o alcance de seus objetivos.

            A mobilização de muitos segmentos sociais contribuiu com o desenvolvimento humano das pessoas com deficiêcia e permitiu um avanço no processo de políticas, teses e assuntos sociais. Dessa maneira, o Estado assume que a responsabilidade cívica é obrigação ética, por isso, desenvolve políticas de proteção social pública com uma visão de conhecimento das demandas deste segmento social específico(15).

              Sabe-se que a pessoa com deficiência poderá desenvolver atividades específicas conforme a deficiência apresentada, porém, a sociedade a rotula com enfoque negativo, associando à incapacidade. Entretanto, isso pode ser otimizado numa perspectiva positiva, quando afirma-se que um indivíduo que apresenta alterações de função ou de estrutura pode desempenhar e participar ativamente da reconstrução da sua vida. A funcionalidade e a incapacidade das pessoas são determinadas pelo contexto ambiental onde vivem, e não como aspectos subsequentes da doença(16).

            De uma foram geral, o estudo aponta para fragilidade existente nos distritos, de maneira que as pessoas que residem mais distante dos poderes públicos ainda indispõem de recursos básicos para uma vida digna. Porém, desde a primeira Conferência Internacional de Promoção da Saúde que se discute o reforço da ação comunitária, com vistas a promover o desenvolvimento da comunidade, dos recursos humanos e materiais nela existentes para intensificar a autoajuda e o apoio social, por meio de contínuo acesso à informação e às oportunidades de aprendizado dos assuntos de saúde, assim como adequado apoio financeiro(17). 

Considerações finais e implicações para a enfermagem 

Considera-se que a baixa condição socioeconômica das pessoas com deficiências constitui um fator que contribui para que os mesmos desconheçam seus direitos e, embora amparadas por lei nos âmbitos educacional, mercado de trabalho, assim como acesso a bens e serviços, ainda têm dificuldade quanto ao exercício da cidadania.

Os profissionais de saúde, que em seu cotidiano cuidam das pessoas com deficiência, precisam estar sensibilizados para esta problemática, conhecer as leis que amparam essas pessoas e estimulá-las na luta pelos seus direitos. Torna-se necessário fornecer informações que possibilitem e favoreçam a luta de vários segmentos da sociedade, na busca do direito de inclusão social, na perspectiva de vencer as discriminações, a exemplo das ocorridas de forma mais evidente com as mulheres, com os negros e com os sem-terra.

Portanto, entende-se que a enfermagem precisa estar inserida nesse processo, o qual fortalece o desenvolvimento de seu papel social enquanto categoria profissional da área da saúde.    

Referências 

1.       Brasil. Ministério da Saúde. Pesquisa para Saúde: Contribuições aos 20 anos do SUS. Brasília (DF); 2008. 

2.       Pagliuca LMF, Araújo TL de, Aragão AE de A. Pessoa com Amputação e Acesso ao Serviço de Saúde: cuidado de enfermagem fundamentado em Roy. Rev Enferm UERJ. 2006; 14(1):100-6. 

3.       Almeida PC, Aragão AE de A, Pagliuca LMF, Macedo KNF. Barreiras arquitetônicas no percurso do deficiente físico aos hospitais de Sobral, Ceará. Rev Eletr Enf. 2006; 8(2):205-12. 

4.       Pagliuca LMF, Aragão AE de A, Almeida PC. Acessibilidade e deficiência física: identificação de barreiras arquitetônicas em áreas internas de hospitais de Sobral, Ceará. Rev esc enferm USP. 2007; 41(4):581-88.  

5.       Aragão AE de A, Pagliuca LMF, Macedo KNF, Almeida PC.  Instalações sanitárias, equipamentos e áreas de circulação em hospitais: adequações aos deficientes físicos. Rev Rene. 2008; 9(1):36-44.  

6.       Brasil. Ministério da Educação. Formação continuada à distância de professores para o atendimento educacional especializado deficiência física. Brasília (DF); 2007. 

7.     Ceará. Sobral. Sistema de Informação da Atenção Básica. 2009. 

8.       IBGE CORDE, Encontro internacional de estatísticas sobre pessoas com deficiência.  Disponível em: http://www.google.com.br/search?hl=pt-BR&q=IBGE+e+CORDE%2C+Encontro+internacional+de+estat%C3%ADsticas+sobre+pessoas+com+defici%C3%AAncia.++&btnG=Pesquisa+Google&meta=lr%3Dlang_pt&aq=f&oq=. [ Acesso 24 jul 2009]. 

9.         Kastrup LFC, Silva CCA, Günther WMR. Contribuição para expansão da rede de serviços básicos de saúde. Rev Adm Saúde [online] 2009 [citado 2010 Jan 12]; 11(42):23-9. Disponível em: http://bases.bireme.br/cgi-bin/wxislind.exe/iah/online/?IsisScript=iah/iah.xis&src=google&base=LILACS&lang=p&nextAction=lnk&exprSearch=529743&indexSearch=ID

10.     França ISX, Pagliuca LMF. Formas de Sociabilidade e Instauração da alteridade: vivência das pessoas com deficiência. Campina Grande: EDUEP; 2008. 

11.   Pagliuca LMF, França ISFX, Moura ERF, Caetano JÁ, Macêdo KNF, Vasconcelos LR, Silva JF, Aragão AE de A, Silveira JRM da S. Acessibilidade da pessoa portadora de deficiência física e/ ou sensorial aos serviços de saúde: estudo das condições físicas e de comunicação. Secretaria de Saúde do Estado do Ceará. Pesquisas para o SUS. UFC, 2007.

 

12.   Brasil, Programa Nacional de Imunização completa 35 anos e torna-se referência internacional. [citado 15 Mar 2010] Disponível em: http://www.aen.pr.gov.br/modules/noticias/article.php?storyid=41236&tit.  

13.   Cordeiro MP, Scoponi RS,  Ferreira SL, Vieira CM. Deficiência e teatro: arte e conscientização. Psicol Cienc Prof. 2007;  27 (1): 2-10.

14.   Zanchetta MS, Leite LC, Perreault M, Lefebvre H. Education and professional strengthening of the community health agent - an ethnography study. Online braz j nurs. 2005 [cited 2009 Jun 04]; 4(3). Disponível em: http://www.uff.br/objnursing/index.php/nursing/article/view/35/14 

15.   França ISX, Pagliuca LMF, Baptista RS. Política de inclusão do portador de deficiência: possibilidade e limites. Acta Paulista de Enfermagem. 2008; 21(1): 112-16. 

16.   Teixeira AM, Guimarães L. Vida revirada: deficiência adquirida na fase adulta produtiva. Rev Mal-estar e Subjetividade. 2006; 6(1):182-200.  

17.   Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Política de Saúde. Projeto Promoção da Saúde. As Cartas da Promoção da Saúde. Brasilia (DF). 2002 [citado 30 Ago 2009]. Disponível em: http://portal.saude.gov.br/portal/arquivos/pdf/declaracoesecarta_portugues.pdf.

 

Contribuição dos autores: Concepção e desenho: todos; Análise e interpretação: todos; Escrita do artigo: todos; Revisão crítica do artigo: Antonia Eliana de Araújo Aragão; Maria Adelane; Lorita Marlena Freitag Pagliuca; Aprovação final do artigo: Adriana Gomes Nogueira Ferreira e Antonia Eliana de Araújo Aragão; Colheita de dados: Keila Maria Azevedo Ponte e Antonia Eliana de Araújo Aragão; Pesquisa bibliográfica: Antonia Eliana de Araújo Aragão e Keila Maria Azevedo Ponte; Suporte administrativo, logístico e técnico: Paulo César

Endereço para correspondência: Antonia Eliana de Araújo Aragão – rua Manoel Pinto Filho nº 629 E-mail antoniaeliana@superig.com.br