5861pt.html

ARTIGOS ORIGINAIS

Produção do conhecimento de enfermagem sobre a residência: estudo bibliométrico


Rosana Maria de Oliveira Silva1, Rebeca Santos do Amaral de Souza1, Luize da Silva Rezende da Mota1, Josicélia Dumêt Fernandes1, Carolina Souza-Machado1, Ana Lúcia Arcanjo Oliveira Cordeiro1

1Universidade Federal da Bahia

RESUMO

Objetivo: caracterizar a produção do conhecimento de enfermagem sobre residência multiprofissional e em área profissional da saúde. Método: Foi realizado um estudo bibliométrico a partir de resumos de artigos, teses e dissertações da área da enfermagem sobre a temática, entre 2005 e 2015. Resultados: 47% da produção sobre o tema é proveniente de artigos; 76% dos estudos estão concentrados nas regiões Sul e Sudeste, com maior produtividade entre 2009 e 2015; 75% dos estudos têm como temática a formação profissional para o SUS. Discussão: A produção está vinculada à pós-graduação stricto sensu e reflete o desequilíbrio distributivo desta, que se concentra onde a capacidade instalada de recursos é maior. A necessidade de um novo perfil profissional para o SUS também contribuiu para o aumento das discussões sobre o tema. Conclusão: A residência é um tema de relevância para a produção cientifica.

Descritores: Internato não Médico; Especialização; Enfermagem.


INTRODUÇÃO

A produção do conhecimento em Enfermagem propicia a transformação de conceitos considerados hegemônicos do processo de saúde e formação, mudanças nas políticas públicas e sociais, melhoria nas práticas assistenciais, e ainda pode evidenciar fragilidades da formação e do processo de cuidar em saúde. Nesse sentido, os enfermeiros têm buscado, com a produção do conhecimento, reafirmar a enfermagem enquanto ciência, a fim de tornar visível sua constante evolução científica(1).

Pensar a produção do conhecimento em Enfermagem nos remete aos programas de pós-graduação stricto sensu que têm impulsionado pesquisas nessa área de conhecimento a partir dos cursos de Mestrado e Doutorado. Esses cursos que objetivam a produção do conhecimento, o desenvolvimento de lideranças globais e o desenvolvimento da profissão, contribuem para a formação de recursos humanos capacitados, aperfeiçoamento dos sistemas e das ações de saúde, promoção do avanço técnico-científico e fortalecimento do cenário educacional da enfermagem brasileira(2,3).

Assim, desde a criação dos primeiros cursos de Pós-graduação stricto sensu em Enfermagem no Brasil, mestrado em 1972 e doutorado em 1981, evidencia-se a expansão e consolidação da produção científica por meio de teses, dissertações, artigos e livros(2). Essa produção do conhecimento, crescente e diversificada, abrange muitos temas, dentre eles a formação em saúde para o trabalho, que está entre as prioridades de pesquisa em saúde do Brasil(4).

A residência multiprofissional e em área profissional da saúde, enquanto formadora de recursos humanos para o trabalho em saúde, é recomendada para novos profissionais licenciados, pois complementa e amplia a formação, favorecendo a inserção qualificada destes no mercado de trabalho, particularmente nas áreas prioritárias do Sistema Único de Saúde (SUS), possibilita a formação em ato, com articulação entre conhecimentos teóricos e práticos, e permite que o conhecimento produzido e apreendido possa ser aplicado, além de desenvolver habilidades referentes à comunicação, liderança, gerência e ao ensino em áreas específicas(5,6,7).

Diante da expressiva importância desses programas de ensino para a capacitação de recursos humanos para o SUS, considera-se objeto relevante de pesquisa e, assim, questionamos: qual a produção do conhecimento de enfermagem sobre residência multiprofissional e em área profissional da saúde? A partir desse questionamento, esse estudo tem como objetivo: caracterizar a produção do conhecimento de enfermagem sobre residência multiprofissional e em área profissional da saúde. Ao desenvolver este estudo intenciona-se subsidiar pesquisadores para a produção de pesquisas a fim de preencher possíveis lacunas existentes na literatura, ampliando as possibilidades de construção de novas perspectivas e conhecimentos.

MÉTODO

Trata-se de um estudo bibliométrico cuja unidade de análise constituiu-se por resumos de artigos, teses e dissertações da área de enfermagem acerca da Residência Multiprofissional e em Área Profissional da Saúde, no período de 2005 a 2015. Definiu-se o marco do ano de 2005 por ser este o ano em que foi criada a Portaria Interministerial MS/MEC Nº 2.117, que institui a Residência Multiprofissional em Saúde e a Residência em Área Profissional da Saúde.

A coleta de dados ocorreu no período de 16 a 20 de maio de 2016 na Biblioteca Virtual de Saúde (BVS) via MEDLINE, LILACS, IBECS, BDENF, Biblioteca Digital Brasileira de Teses e Dissertações (BDTD) e no Banco de Teses e Dissertações da CAPES, utilizando-se a estratégia de busca (internato não médico OR residência não médica não odontológica OR especialização OR áreas de especialidade OR especialista OR especialistas OR especialidades OR especialidade) AND enfermagem, e as palavras-chave “Residência multiprofissional em saúde”, “Residência em área profissional da saúde” e “Residência integrada em saúde”, para ampliar a busca.

A fim de obter os dados exclusivamente da temática proposta, foram delimitados como critérios de inclusão: artigos, teses e dissertações da área da enfermagem, que abordassem o tema Residência Multiprofissional em Saúde e em área profissional da Saúde, no período de 2005 a 2015. Como critério de exclusão: duplicadas no momento da busca, documentos que não correspondem à área de enfermagem e documentos que não correspondem aos programas de Residência brasileiros. O detalhamento das seleções e exclusões pode ser observado na Figura 1.

Após a coleta, os dados foram sistematizados em planilhas no Microsoft Office Excel 2013® para preenchimento de um instrumento previamente elaborado. O instrumento foi composto pelas variáveis: título, ano, idioma, procedência, categoria temática e nível de formação (mestrado ou doutorado, para categorização das teses e dissertações). De posse do instrumento devidamente preenchido, foi realizada a análise estatística por frequências absolutas e relativas, com apresentação de tabelas e gráficos para melhor interpretação dos resultados.

Não houve necessidade de aprovação da investigação por um Comitê de Ética em Pesquisas envolvendo seres humanos, visto que a pesquisa apresenta caráter bibliométrico e documental.

Figura 1 – Fluxograma dos critérios de seleção das produções científicas – Salvador, BA – 2016.

Figura 1

Fonte: Dados da pesquisa

RESULTADOS

A partir da leitura e análise dos resumos, foram selecionados 21 estudos da área de enfermagem sobre a residência multiprofissional e em área profissional da saúde. Destes, 10 (47,61%) correspondem a artigos, três (14,28%) a Teses e nove (38,09%) a Dissertações.

Esses estudos são principalmente oriundos da região Sul, seguida pela Região Sudeste, conforme figura 2, que retrata as publicações por região geográfica brasileira.

Figura 2 – Distribuição das publicações por região geográfica – Salvador, BA – 2016.

Figura 2

Fonte: Dados da pesquisa

Na figura 3, está apresentado o ano de publicação dos artigos e o ano da defesa das Teses e Dissertações. Destaca-se que em 2015 foram publicados quatro artigos (19,04%) sobre a temática, representando o maior quantitativo na análise temporal.

Figura 3 – Distribuição dos artigos, teses e dissertações conforme o ano de publicação/ defesa – Salvador, BA – 2016.

Figura 3

Fonte: Dados da pesquisa

Quanto à categoria temática dos estudos, três artigos (30%) e cinco teses e dissertações (45,45%) abordaram a temática “formação de Recursos Humanos para o Sistema de Saúde”. A distribuição temática dos demais estudos pode ser visualizada na figura 4.

Figura 4 - Distribuição das categorias temáticas por tipo de estudo – Salvador, BA - 2016

Figura 4

Fonte: Dados da pesquisa

DISCUSSÃO

Nesta revisão sobre a produção do conhecimento de enfermagem acerca da residência multiprofissional e em área profissional da saúde, verificou-se que o tema é mais abordado em artigos, principalmente oriundos das Regiões Sul e Sudeste do Brasil. Na análise temporal, os anos de 2009 e 2015 destacam-se com maior quantitativo de publicações. Referente à temática, a formação de recursos humanos para o sistema de saúde foi amplamente explanada.

A produção de artigos sobre a residência é maior quando comparada à produção de teses e dissertações sobre o tema. Entretanto, é importante salientar o vínculo desses tipos de estudos, uma vez que artigos possibilitam a divulgação facilitada de investigações realizadas para elaboração de teses e dissertações dos estudantes da pós-graduação. No presente estudo, porém, identificou-se que apenas quatro dos artigos encontrados eram recortes de tese ou dissertação, o que nos leva a questionar qual tem sido o produto das teses e dissertações desenvolvidas na pós-graduação em enfermagem brasileira e como ocorre a divulgação desses trabalhos supostamente engavetados, uma vez que não estão sendo produzidos artigos para facilitar a divulgação dos mesmos.

Ainda assim, os programas e cursos de pós-graduação são os maiores responsáveis pela produção e difusão do conhecimento científico e identificação de avanços e retrocessos nas diferentes áreas do saber(8,9,10).

Aliados aos Programas de pós-graduação e igualmente impulsionadores do conhecimento estão os Grupos de Pesquisa (GP), que, em 2006, apresentavam o quantitativo de 331 no campo da enfermagem brasileira.

Dentre estes, 14% trabalhavam com a temática da educação em enfermagem, o que inclui a produção e divulgação de conhecimento sobre as residências multiprofissionais e em área profissional da saúde. Destaque-se que 83% destes grupos de pesquisa sobre educação em enfermagem estão localizados nas regiões Sul e Sudeste do Brasil(8).

A disposição geográfica desses grupos é similar à distribuição dos programas e cursos de pós-graduação Stricto Sensu, que estão concentrados nas regiões supracitadas e insuficientes nas regiões Norte e Centro-oeste, refletindo um desequilíbrio distributivo. Tal fator reflete na produtividade acadêmica e pode ser observado no presente estudo, pois os locais de maior produção sobre a residência foram as Regiões Sul e Sudeste do Brasil(3,11).

O desequilíbrio distributivo dos cursos de pós-graduação Stricto Sensu pode estar relacionado a questões financeiras, como a maior quantidade de investimentos públicos onde a capacidade instalada de recursos e infraestrutura preexistentes já é consideravelmente elevada. Essa lógica não somente equivale para os cursos stricto sensu, mas também para o lato sensu. Por isso, observa-se que nas propostas de incentivo à Residência multiprofissional há uma expressiva oferta de bolsas na Região Sudeste, composta por metrópoles como São Paulo, onde existe maior Produto Interno Bruto (PIB) e maior número de cursos, abarcando assim elevados investimentos(12).

Esses investimentos dos Ministérios da Saúde e Educação para a Residência Multiprofissional visam o fortalecimento desse modelo de ensino no país, e possibilitam a rápida expansão do número de programas, como ocorreu entre 2005, ano de sua implementação, e 2009.

Ao longo desse período os investimentos foram crescentes, chegando ao valor global de R$178 milhões entre 2007 e 2009. Destaque-se que em 2010 foi implementado o Programa de Residência Integrada Multiprofissional em Saúde da rede de Hospitais Universitários Federais, para os quais foram disponibilizadas 500 bolsas, a um custo anual estimado de R$11 milhões. No ano seguinte a oferta de bolsas para a residência multiprofissional duplicou, com o equivalente a 1.193, revelando a tendência expansionista dos programas. Esta expansão é expressa na produção científica, observando-se o aumento de publicações sobre o tema ao longo dos anos(13,14).

Quanto à categoria temática, a maioria dos estudos revela que a Residência tem ganhado notoriedade na produção brasileira por sua capacidade de fornecer recursos humanos especializados para os sistemas de saúde. Estas discussões sobre a formação de profissionais refletem a preocupação quanto ao suprimento das necessidades de saúde, e teve visibilidade nas últimas décadas frente à parceria entre os Ministérios da Saúde e Educação para gerir a formação de trabalhadores de saúde, com vistas a reorientar a educação nessa área e aproximá-la dos princípios e diretrizes do SUS(15).

Um dos princípios preconizados é a integralidade, que visa o rompimento com as bases reducionistas e fragmentadas do cuidado, por isso as propostas de especializações como os programas de residências multiprofissionais possibilitam a formação para práticas colaborativas entre diversos profissionais da saúde, por meio da educação interprofissional(16,17). Essa especificidade foi abordada em alguns estudos, que buscavam compreender os limites e as potencialidades das residências multiprofissionais para a educação interprofissional, bem como os cenários favoráveis ao desenvolvimento desta, tendo em vista a reorientação da formação profissional em saúde como um fator de impacto para alcançar a integralidade e até mesmo contribuir para a consolidação do sistema de saúde brasileiro(18).

Nesse sentido, alguns estudos encontrados avaliam os resultados dos programas de residência para o SUS e para a atuação profissional, por meio da análise das estratégias metodológicas, da execução dos programas, das estruturas dos serviços e dos recursos ofertados. Outros estudos que contribuem para a avaliação dos programas, mas que foram pouco encontrados nesta revisão são as pesquisas com egressos e preceptores. Esses estudos possibilitam visualizar o impacto do currículo nas transformações dos alunos e os modos de fazer dos preceptores, que precisam adotar um modelo educativo que supere a mera transmissão de conhecimentos(19,20). Desse modo, esse tipo de pesquisa poderia ser mais explorado, bem como, as demais categorias temáticas, que mesmo sendo relevantes, apresentaram-se de modo pontual entre os estudos encontrados.

No processo de elaboração desta revisão, a ausência de artigos, teses e dissertações sobre a residência brasileira publicados em outros países e idiomas denotou-se como uma limitação, pois a inclusão de estudos desse tipo poderia enriquecer a discussão com a perspectiva internacional dada ao modelo de residência nacional. Ainda assim, o estudo é potencializado por evidenciar lacunas na literatura sobre a temática, podendo subsidiar novas pesquisas que preencham as lacunas existentes.

CONCLUSÃO

A produção do conhecimento de enfermagem sobre a residência multiprofissional e em área profissional da saúde é majoritariamente oriunda de artigos, que em geral não são produto de teses e dissertações, o que nos leva a questionar como esses estudos estão sendo divulgados. Ainda assim, a produção sobre o tema está ligada aos programas de pós-graduação stricto sensu. Estes, por sua vez, estão distribuídos de maneira desigual pelo Brasil, o que é refletido também na produção, que é maior no Sul e Sudeste. Este desequilíbrio é fruto dos maiores investimentos onde a capacidade instalada de recursos é elevada. Os investimentos na residência seguem essa lógica e são fator de visibilidade do tema, como observado na análise temporal relacionada aos incentivos. Outro fator de visibilidade para o tema residência é a sua capacidade de formar recursos humanos para a saúde, o que se configura como condição para a consolidação do SUS.


REFERÊNCIAS

  1. Backes VMS, Prado ML, Lino MM, Ferraz F, Canever BP, Gomes DC, Martini JG. Teses e dissertações de enfermeiros sobre educação em enfermagem e saúde: um estudo bibliométrico. Rev. bras. enferm. [Internet]. 2013 Apr 3 [Citad 2016 July 5] 66(2): 251-256. Available from: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-71672013000200015&lng=en. Doi:http://dx.doi.org/10.1590/S0034-71672013000200015
  2. Costa R, Borenstein MS, Padilha MI. History of Nursing and Health Knowledge Study Group: production of knowledge in the graduate program. Texto Contexto Enferm [Internet]. 2013 Jan/Mar. [cited 2016 July 5] 22(1): 71-8. Available from:http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=71425827003. Doi:http://dx.doi.org/10.1590/S0104-07072013000100009
  3. Scochi CGS, Gelbcke FL, Ferreira MA, Lima MADS, Padilha KG, Padovani NA, Munari, DB. Nursing Doctorates in Brazil: research formation and theses production. Rev. Latino-Am. Enfermagem [Internet]. 2015 May/June [cited 2016 July 5] 23(3): 387-394. Available from: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-11692015000300387&lng=en. Doi:http://dx.doi.org/10.1590/0104-1169.0590.2564
  4. Brasil. Ministério da Saúde. Agenda Nacional de Prioridades de Pesquisa em Saúde. 2008. Available from: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/agenda_nacional_prioridades_2ed_3imp.pdf [cited 2016 July 5]
  5. Silva RMO, Cordeiro ALAO, Fernandes JD, Silva LS, Teixeira GAS. Contribution of a residency specialization program to professional know-how Acta paul. enferm. [Internet]. 2014 Aug [cited 2016 July 05]; 27(4): 362-366. Available from:http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-21002014000400012&lng=en. Doi: http://dx.doi.org/10.1590/1982-0194201400060
  6. Olson-Sitki K, Wendler MC, Forbes G. Evaluating the impact of a nurse residency program for newly graduated registered nurses. J Nurses Staff Dev. [Internet]. 2012 jul [cited 2016 July 05]; 28(4): 156-62.
  7. Goode CJ, Lynn MR, McElroy D, Bednash GD, Murray B. Lessons learned from 10 years of research on a post-baccalaureate nurse residency program. J Nurs Adm. [Internet]. 2013 Feb [cited 2016 July 05]; 43(2): 73-9.
  8. Backes VMS, Prado ML, Lino MM, Ferraz F, Reibnitz KS, Canever BP. Grupos de Pesquisa de Educação em Enfermagem do Brasil. Rev. esc. enferm. USP [Internet]. 2012 Apr [cited 2016 July 05]; 46(2):436-442. Available from:http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0080-62342012000200023&lng=en. Doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0080-62342012000200023
  9. Schveitzer MC, Backes VMS, Prado ML, Lino MM, Ferraz F. Grupos de pesquisa em educação em Enfermagem: linhas de pesquisa e produção científica em três regiões do Brasil. Rev. bras. enferm. [Internet]. 2012 Apr [cited 2016 July 05]; 65(2): 332-338. Available from:http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-71672012000200020&lng=en. Doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0034-71672012000200020
  10. Carvalho GO. A elaboração do artigo científico como meio de divulgação do conhecimento. Revista de Educação, Linguagem e Literatura da UEG-Inhumas. [Internet]. 2010 out [cited 2016 July 05]; 2(2): 138-162. Available from:http://www.ueginhumas.com/revelli/revelli4/numero_2/revelli.v2.n2.art10.pdf
  11. Rodrigues RAP, Robazzi MLCC, Erdmann AL, Fernandes JD, Barros ALBL, Ramos FRS. Doctoral Theses from Nursing Postgraduate Programs in Brazil and their Association with the Millennium Development Goals. Rev. Latino-Am. Enfermagem [Internet]. 2015 June [cited 2016 July 05]; 23(3): 395-403. Available from:http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-11692015000300395&lng=en. Doi: http://dx.doi.org/10.1590/0104-1169.0667.2565
  12. Erdmann AL, Fernandes JD, Teixeira GA. Panorama da educação em enfermagem no Brasil: graduação e pós-graduação. Enfermagem em Foco. [Internet]. 2015 mar [cited 2016 July 05]; 2(supl): 89-93. Available from:http://revista.portalcofen.gov.br/index.php/enfermagem/article/view/91
  13. Brasil. Ministério da Saúde; Ministério da Educação.Relatório de Atividades da Comissão Nacional de Residência Multiprofissional em Saúde – CNRMS Exercício 2007/2009. 2009. Available from:http://u.saude.gov.br/images/pdf/2016/maio/31/3.b_Relat%C3%B3rio%20de%20atividades%20da%20CNRMS.pdf. Cited 2016 July 2016
  14. Mioto RCT, Alves FL, Caetano PS, Prá KRD. As residências multiprofissionais em saúde: a experiência da Universidade Federal de Santa Catarina. Serviço Social e Saúde [Internet]. 2012 jul-dez [cited 2016 July 05]; 11(2): 185-209. Available from:http://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/sss/article/view/8635288/3090
  15. Vendruscolo C, Prado ML, Kleba ME. Formation of human resources in the field of health in Brazil: an integrative review. Educação em Revista. 2014 Mar [cited 2016 July 05]; 30(1), 215-244. Available from:http://www.scielo.br/pdf/edur/v30n1/a09v30n1.pdf. Doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-46982014000100009.
  16. Almeida-Filho N. Heigher education and health care in Brazil. Lancet. [Internet]. 2011 June [cited 2016 July 30]; 377(9781): 1898-900. Available from:http://www.thelancet.com/pdfs/journals/lancet/PIIS0140-6736(11)60326-7.pdf
  17. Casanova AI, Batista NA, Ruiz-Moreno L. Residência Multiprofissional em Saúde Percepção dos residentes sobre a Educação Interprofissional nas práticas colaborativas. Investigação Qualitativa em Educação. [internet]. 2015 [cited 2016 september 05]; 2:368-370. Available from:http://proceedings.ciaiq.org/index.php/ciaiq2015/article/view/277/273.
  18. Batista KBC, Gonçalves OSJ. Formação dos profissionais de saúde para o SUS: significado e cuidado. Saude soc. [Internet]. 2011 Dec [cited 2016 July 05]; 20(4):884-899. Available from:http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-12902011000400007&lng=en.
  19. Colenci R, Berti HW. Professional development and entering the labor market: the perceptions of nursing graduates. Rev. esc. enferm. USP [Internet]. 2012 Feb [cited 2016 september 05]; 46(1):158-166. Available from: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0080-62342012000100022&lng=en. Doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0080-62342012000100022.
  20. Melo MC, Queluci GC, Gouvêa MV. Nursing Preceptorship in Multiprofessional Residency in Oncology: a Descriptive Study. Online Braz J Nurs (Online) [internet]. 2014 Dec [cited 2016 September 05]; 13(4):656-666. Available from:http://www.objnursing.uff.br/index.php/nursing/article/view/4567/pdf_336
  21. Nascimento DDG, Oliveira MAC. A política de formação de profissionais da saúde para o SUS: considerações sobre a residência multiprofissional em saúde da família. REME: Rev Min Enferm [Internet]. 2006 dez 28 [Cited 2016 May 16] 10(4):435-9. Available from: http://www.reme.org.br/artigo/detalhes/443 Doi: http://www.dx.doi.org/S1415-27622006000400020 [included in the review].
  22. Ferreira SR, Olschowsky A. Residência integrada em saúde: a interação entre as diferentes áreas de conhecimento. Rev Gaúcha Enferm. 2009 mar [Cited 2016 May 16] 30(1):106-12. Available from: http://www.lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/23621/000703254.pdf?sequence=1 [included in the review].
  23. Dallegrave Daniela, Kruse Maria Henriqueta Luce. No olho do furacão, na ilha da fantasia: a invenção da residência multiprofissional em saúde. Interface (Botucatu) [Internet]. 2009 Mar [Cited 2016 May 16] 13(28): 213-226. Available from: http://www.scielo.br/pdf/icse/v13n28/v13n28a18.pdf [included in the review]
  24. Ceccim Ricardo Burg. "Ligar gente, lançar sentido: onda branda da guerra" a propósito da invenção da residência multiprofissional em saúde. Interface (Botucatu) [Internet]. 2009 Mar [Cited 2016 May 16] 13(28): 233-235. Available from: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-32832009000100022&lng=pt&tlng=pt Doi: http://dx.doi.org/10.1590/S1414-32832009000100022 [included in the review]
  25. Cheade MFM, Frota OP, Loureiro MDR, Quintanilha ACF. Residência multiprofissional em saúde: a busca pela integralidade. Cogitare Enferm. 2013 jul/sept [Cited 2016 May 16] 8(3):592-5. Available from: http://revistas.ufpr.br/cogitare/article/view/46360 [included in the review]
  26. Vasconcelos MIO, Souza FL, Lira GV, Dias MAS, Silva GSN. Avaliação De Programas De Residência Multiprofissional Em Saúde Da Família Por Indicadores. Trab. educ. saúde. 2015; [Cited 2016 May 16] 13(supl. 2):53-77. Available from: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1981-77462015000500053&lng=pt&tlng=pt Doi: http://dx.doi.org/10.1590/1981-7746-sip00080 [included in the review]
  27. Miranda Neto MV, Leonello VM, Oliveira MAC. Multiprofessional residency in health: a document analysis of political pedagogical projects. Rev Bras Enferm. July/Aug. 2015; [Cited 2016 May 16] 68(4):586-93. Available from: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-71672015000400586&lng=en&tlng=en Doi: http://dx.doi.org/10.1590/0034-7167.2015680403i [included in the review]
  28. Fiorano AMM, Guarnieri AP. Residência multiprofissional em saúde: tem valido a pena? ABCS Health Sci. 2015; [Cited 2016 May 16] 40(3):366-369. Available from: https://www.portalnepas.org.br/abcshs/article/view/823 [included in the review]
  29. Cargobim FC, Santos KB, Alves MS, Silva GA. Residência em Enfermagem: A experiência de Juiz de Fora do ponto de vista dos residentes. Revista APS, [Cited 2016 May 16] 13(2), 245-249, 2010. Available from: https://aps.ufjf.emnuvens.com.br/aps/article/view/616 [included in the review]
  30. Magnabosco G, Haddad MCL, Vannuchi MTO, Rossaneis MA, Silva LGC. Opinião de egressos sobre o curso de residência em gerência dos serviços de enfermagem. Semina: Ciências Biológicas e da Saúde. 2015 [Cited 2016 May 16] 36(1 supl):73-80. Available from: http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/seminabio/article/view/19019 [included in the review]
  31. Silva RMO. Especialização em enfermagem sob a forma de residência: experiência transicional na trajetória de egressas. Salvador. Tese [Doutorado em Enfermagem] – Universidade Federal da Bahia; 2013. [incluída na revisão]
  32. Maeda DY. Preceptoria no curso de residência em enfermagem: competências da enfermeira. Salvador. Dissertação [Mestrado em Enfermagem] – Universidade Federal da Bahia; 2006. [incluída na revisão]
  33. Silva LB. Trajetória histórica do curso de especialização em enfermagem modalidade residência no hospital Ophir Loyola (Pará, 1998-2007). Rio de Janeiro. Tese [Doutorado em enfermagem] – Universidade Federal do Rio de Janeiro; 2011. [incluída na revisão]
  34. Domingos CM. A residência multiprofissional em saúde da família: o olhar do trabalhador de saúde. Londrina. Dissertação [Mestrado] – Universidade Estadual de Londrina; 2012. [incluída na revisão]
  35. Dallegrave D. No olho do furacão, na ilha da fantasia: a invenção da residência multiprofissional em saúde. Porto Alegre. Dissertação [Mestrado] – Universidade Federal do Rio Grande do Sul; 2008. [incluída na revisão] 36.Miranda Neto MV. Limites e potencialidades da residência multiprofissional em saúde para a educação interprofissional. São Paulo. Dissertação [Mestrado] – Universidade de São Paulo; 2015. [incluída na revisão]
  36. Lobato CP. Formação dos trabalhadores de saúde na residência multiprofissional em saúde da família: uma cartografia da dimensão política. Londrina. Dissertação [Mestrado] – Universidade Estadual de Londrina; 2010. [incluída na revisão]
  37. Nascimento DDG. A residência multiprofissional em saúde da família como estratégia de formação de força de trabalho para o SUS. São Paulo. Dissertação [Mestardo] – Universidade de São Paulo; 2008. [incluída na revisão]
  38. Vidal LMA. A gestão do conhecimento no programa de residência multiprofissional em saúde do hospital universitário Onofre Lopes: uma visão a partir da preceptoria. João Pessoa. Dissertação [Mestrado] – Universidade Federal da Paraíba; 2014. [incluída na revisão]
  39. Ferreira SR. Residência integrada em saúde: uma modalidade de ensino em serviço. Porto Alegre. Dissertação [Mestrado] – Universidade Federal do Rio Grande do Sul; 2007. [incluída na revisão]
  40. Dallegrave D. Encontros de aprendizagem e governamentalidade no trabalho em saúde: as residências no país das maravilhas. Porto Alegre. Tese [Doutorado] – Universidade Federal do Rio Grande do Sul; 2013. [incluída na revisão]

Todos os autores participaram das fases dessa publicação em uma ou mais etapas a seguir, de acordo com as recomendações do International Committe of Medical Journal Editors (ICMJE, 2013): (a) participação substancial na concepção ou confecção do manuscrito ou da coleta, análise ou interpretação dos dados; (b) elaboração do trabalho ou realização de revisão crítica do conteúdo intelectual; (c) aprovação da versão submetida. Todos os autores declaram para os devidos fins que são de suas responsabilidades o conteúdo relacionado a todos os aspectos do manuscrito submetido ao OBJN. Garantem que as questões relacionadas com a exatidão ou integridade de qualquer parte do artigo foram devidamente investigadas e resolvidas. Eximindo, portanto o OBJN de qualquer participação solidária em eventuais imbróglios sobre a matéria em apreço. Todos os autores declaram que não possuem conflito de interesses, seja de ordem financeira ou de relacionamento, que influencie a redação e/ou interpretação dos achados. Essa declaração foi assinada digitalmente por todos os autores conforme recomendação do ICMJE, cujo modelo está disponível em http://www.objnursing.uff.br/normas/DUDE_final_13-06-2013.pdf