10-v3n1-3516-original-11

ARTIGOS ORIGINAIS



Revisão de literatura sobre o risco para alteração no vínculo pais e filhos – Clube de periódico do OBJN

 

Gleyce Padrão de Oliveira Zambrotti1, Isabel Cristina Fonseca da Cruz1

1Universidade Federal Fluminense

 


ABSTRACT
The literature review on risk for impaired parenting in intensive care unity presents for nurses summaries and commentaries on articles published recently. The objective was to identify to the scientific nursing since 1999 until 2003 and to analyse its applicability to the practice. The methodology utilizes research computer and/or manual bibliography.
Key-words: Nursing care; parental relationships ; Intensive care units.


RESUMEN
Revisión de la literatura de la literatura lograda el arranque de informatizó e Investigación bibliográfica manual, en el periodo de julio a octubre de 2003, en el riesgo para la alteración en los padres de la atadura y regalos de los niños para enfermeras (el) los resúmenes y comentarios en género publicado recientemente que sus aspectos presentes ciertas áreas actuales de complejidad alta alimentando, como la conducta y madres de sentimientos del neonatológicos pacientes y la asistencia los padres y niños dieron en el neonatal de UNIDAD de CUIDADO INTENSIVO. El total de ausencia del pariente significante o parcial posee el peso más grande en el proceso de adaptación y el desadaptação del niño. Está en el pariente significante que el niño busca el apoyo, la orientación, la referencia de tiempo, protección para la ignorancia y para el sufrimiento. Si el niño puede estar con la asistencia de este familiar es capaz apoyar los sufrimientos y ansiedades aparecidas durante la hospitalización. Ya las conciencias culpables de los padres pueden asociarse al non que entiende de los factores las causas reales de la enfermedad y de la hospitalización. En algunas situaciones la conciencia culpable o la hostilidad se expresa bajo la forma de la negativa quedándose con el niño, la tolerancia pequeña a sus demandas, impaciencia y levantamiento progresivo. Si el niño no recibe que la asistencia adaptó el psicoafetiva los efectos nocivos de la hospitalización ellos pueden ser severos o incluso irreversible. Debe ponerse la necesidad de humanizar como el objetivo principal. Ese trabajo presenta resúmenes y comentarios en género publicado recientemente que sus aspectos presentes ciertas áreas actuales de complejidad alta alimentando, como la conducta y madres de sentimientos del neonatológicos pacientes y la asistencia los padres y niños dieron en neonatal de UNIDAD de CUIDADO INTENSIVO que hace con que nosotros nos damos cuenta en la atadura de los padres y niños debido a la internación en el neonatal de UNIDAD de CUIDADO INTENSIVO. La comprensión del equipo de salud sobre la ayuda sujeta para él ser desarrollado bien, no permitiendo que durante muchos tiempos la remuneración mala o incluso la rutina, hace con que nosotros nos olvidamos que nosotros estamos trabajando con seres humanos que necesitan el afecto porque ellos son vulnerables y que nuestra obligación es ayudar. Por consiguiente es necesario una relación armónica entre los padres, niños y equipo de salud dónde se mirará para no sólo la recuperación del neonato, como los invigoration de los padres de la atadura e hijo.
Palabras claves: Cuidado del enfermería; relación de padres-hijo; unidad del cuidado intensivo.


RESUMO
A revisão da literatura realizada a partir de Pesquisa bibliográfica computadorizada e manual, no período de julho a outubro de 2003, sobre o risco para alteração no vínculo pais e filhos apresenta para enfermeiras (os) resumos e comentários sobre artigos publicados recentemente que apresentam aspectos atuais de determinadas áreas de alta complexidade em enfermagem, como o comportamento e sentimentos de mães de pacientes neonatológicos e a assistência prestada a pais e filhos em UTI neonatal. A ausência total ou parcial do familiar significativo possui o maior peso no processo de adaptação e desadaptação da criança. É no familiar significativo que a criança busca apoio, orientação, referência de tempo, proteção para o desconhecimento e para o sofrimento. Se a criança pode contar com a assistência deste familiar é capaz de suportar os sofrimentos e ansiedades surgidos durante a hospitalização. Já os sentimentos de culpa dos pais podem estar associados ao não entendimento dos fatores reais causadores da doença e da hospitalização. Em algumas situações o sentimento de culpa ou hostilidade são expressos sob forma de recusa em permanecer com a criança, pouca tolerância às suas solicitações, impaciência e afastamento progressivo. Se a criança não receber assistência psicoafetiva adequada os efeitos nocivos da hospitalização poderão ser severos ou até irreversíveis. A necessidade de humanizar deve ser colocada como objetivo principal.Esse trabalho apresenta resumos e comentários sobre artigos publicados recentemente que apresentam aspectos atuais de determinadas áreas de alta complexidade em enfermagem, como o comportamento e sentimentos de mães de pacientes neonatológicos e a assistência prestada a pais e filhos em UTI neonatal fazendo com que nos conscientizemos sobre o vínculo de pais e filhos diante da internação em UTI neonatal. A conscientização da equipe de saúde sobre o assunto ajuda para que ele seja melhor desenvolvido, não permitindo que por muitas vezes a má remuneração ou até mesmo a rotina, faça com que nos esqueçamos que estamos lidando com seres humanos, que necessitam de afeto, pois estão vulneráveis e que a nossa obrigação é ajudar. Portanto é preciso uma relação harmônica entre pais, filhos e equipe de saúde, onde se buscará não somente a recuperação do neonato, como o fortalecimento do vínculo pais e filho.
Palavras-chave: Cuidado de Enfermagem; relações pais/ filhos; unidades de terapia intensiva.


 

INTRODUÇÃO

Este trabalho visa à pesquisa bibliográfica sobre o risco para alteração no vínculo pais e filhos. Busca melhor relação entre pais e filhos prematuros ou doentes internados em UTI neonatal, com a finalidade de acabar com as angústias e medos que interferem na assistência de enfermagem, tanto no cuidado em si como na transferência desses sentimentos aos enfermeiros.



METODOLOGIA

Pesquisa bibliográfica computadorizada e manual, no período de 1999 a 2003, utilizando as palavras-chave/key-words: Cuidado de Enfermagem; relações pais/ filhos; unidades de terapia intensiva / Nursing care; relationships parents-son; Intensive care units. Foram selecionados 10 textos para análise devido às implicações para uma melhor prática.


RESULTADOS

BELLI, Maria A. de J.  A Constatação do Filho Real: Representações Maternas sobre o Filho Internado na UTI Neonatal. Revista de Enfermagem UERJ, Rio de Janeiro, v.10, n.3, p.165-170, set/dez, 2002.

Resumo: O objetivo desse artigo é conhecer as representações sociais das mães acerca da internação do filho na UTI neonatal. Os comportamentos e sentimentos manifestados pelas mães de pacientes internados na UTI neonatal nem sempre são compreendidos. Nem todas as mães aceitam a realidade de ter um filho prematuro ou doente, pois idealizam durante toda a gestação um bebê bonito, e saudável, gerando assim vários conflitos, que são transportados em seus comportamentos e atitudes.Geralmente as mães são avaliadas apenas pelos seus comportamentos em si, e não pelo que gerou tais comportamentos.

Comentários: O cotidiano de uma UTI neonatal presencia determinados comportamentos maternos, e estes são interpretados pelos profissionais de saúde como: a mãe que visita diariamente seu filho, como uma mãe interessada e persistente; e já a mãe que raramente visita seus bebês como uma mãe desinteressada pela saúde de seu filho. A mãe sempre idealiza seu filho como sendo bonito e bom, e quando se depara com um bebê prematuro ou doente expressa comportamentos de “confronto”. Portanto é não se trata de interesse ou desinteresse, mas sim de uma questão de conflito, e assim, o profissional de saúde deve tentar compreender este conflito e ajudar e superá-lo.

Implicações de enfermagem: É preciso prestar os cuidados necessários não só aos pacientes internados na UTI neonatal, como às mães, e tentar compreender suas experiências perante a difícil realidade enfrentada por elas, além de tirar proveitos com as transformações que estas mães estão sofrendo em pró a recuperação do paciente. O profissional deve ajudá-las a superar esta fase de conflito.

GAÍVA, Maria A. M.; FERRIANI, Maria das Graças C. Prematuridade: Vivências de Crianças e Familiares. Acta Paulista Enfermagem. São Paulo, v. 14 n.1 p.23-29 Jan/abril. 2001.

Resumo: Este artigo objetiva compreender a vivência cotidiana de um grupo de crianças prematuras e seus familiares. Sendo evidenciado no cotidiano dessas famílias os aspectos da socialização das crianças como a afetividade.

Comentários: Mesmo sendo o cuidado da criança social e culturalmente delegado à mulher muitos pais vêm assumindo este papel. A prematuridade produzindo ou não conseqüências/limitações interfere no cotidiano familiar, uma vez que esta criança é voltada de cuidados que acabam em mimos.

Implicações de enfermagem: As famílias costumam carregar a vivência da criança prematura por anos. Assim, é necessário criar estratégias de apoio familiar não só durante a internação da criança, mas também no cotidiano após a alta. O assistir a família é uma inovação que permite o aspecto humanístico na relação interpessoal.

GAÍVA, Maria A. M. et. al. Assistência aos Pais de Recém-Nascidos Pré-Termo em Unidades Neonatais. Revista Brasileira de Enfermagem, Brasília. v.52, n.3,  p. 78-83 set/dez, 2002.

Resumo: Este trabalho tem por objetivo a reflexão sobre a assistência aos pais de neonatos prematuros e de baixo peso ao nascer em UTI neonatal. Aborda sobre a mãe, que mesmo sendo assegurada por lei em estar junto ao seu filho, na grande maioria, é colocada diante a restrição de horários dos berçários. Questiona o envolvimento efetivo dos pais com os cuidados do filho.

Comentários: A assistência às crianças prematuras é enfatizada no aspecto clínico e de cuidados técnicos, deixando em segundo plano o envolvimento com a família.

Implicações de enfermagem: A equipe de enfermagem ao manter um contato permanente com os pais, tem possibilidade de implementar medidas que visem maior interação pais-bebê, propiciando uma melhor assistência de enfermagem.

HEWITT, Jeanette. Psycho-affective Disorder in Intensive Care Units: A Review. Journal of Clinical Nursing. New Jersey, v.11 n.2, p.575-584, marc, 2002.

Resumo: O artigo a partir de uma pesquisa exploratória e evidências empíricas descreve as características clínicas e psicológicas de uma UTI.

Comentários: A UTI é um lugar que sempre abala emocionalmente as pessoas por ser um lugar onde é prestada assistência à pacientes de risco. E se tratando de UTI neonatal, essa situação é ainda mais agravante, pois se trata de um recém-nascido onde seus pais, na maioria, mal o conhecem e já o amam, sendo que idealizavam uma outra realidade e essa situação pode interferir e muito na estrutura emocional entre pais e filho.

Implicações de enfermagem: A equipe de saúde deve tentar aproximar ao máximo pais e filhos, uma vez além de se tratar de uma fase importante na estrutura do vínculo afetivo, essa aproximação é importante na recuperação do paciente neonato.

JED, Emily. A Mother’s Perspective. AJN. North Carolina, vol. 99, n. 3, p.7-9, Mar, 1999.

Resumo: Esse artigo relata a trajetória de pais com sua filha hospitalizada na UTI neonatal. A mãe, no artigo, cita como foi importante a assistência de enfermagem a ela e seu marido. Mesmo com todos os conflitos emocionais vividos esses pais se sentiam um pouco seguros quando a enfermeira explicava passo a passo cada procedimento, cada aparelho, e quando encorajava-os.

Comentários: Quando os pais participam dos cuidados de seus filhos acabam sentindo-se mais próximos. É papel do enfermeiro fazer com que pais conheçam seus filhos, pois já que não o conhecem e existe o conflito perante a idealização que tinham de seu filho esperado, há, portanto, um distanciamento. É uma coisa inevitável, uma mãe que trabalha o dia inteiro e vê seu filho uma vez por dia para o amamentar quase não tem vínculo algum, muito menos o pai, que não possui essa aproximação (amamentação).

Implicações de enfermagem: Além de ser importante a integração da equipe de enfermagem com os pais, é necessário o interesse da equipe de enfermagem em conhecer e ajudar aos pais. Os pais quando conhecem e participam do estado do filho ficam mais tranqüilos. Sem contar que dessa forma os pais não se distanciam dos bebês.

LIMA, Regina A. G. de. et al. Assistência à Criança Hospitalizada: Reflexões acerca da Participação dos Pais. Revista Latino-americana de Enfermagem. Ribeirão Preto. v. 7 n. 2., p.93-101, abr, 1999.

Resumo: Até 1930 a assistência de enfermagem à criança hospitalizada visava a prevenção da transmissão de infecções através do isolamento rigoroso. Essa forma de assistir afastou a família da criança e dos profissionais de saúde. E esse afastamento ainda tem vestígios até hoje.

Comentários: A hospitalização é uma experiência nada agradável, principalmente para um recém-nascido, contudo, pode ser amenizada pela presença de familiares. Enquanto a assistência hospitalar está centrada na doença, os pais, além de procurar atenuar suas necessidades físicas, estão atentos ao seu bem-estar emocional.

Implicações de enfermagem: O profissional de enfermagem deve procurar também atenuar o mal estar emocional, tanto do paciente neonatal como dos pais, devendo também, facilitar a humanização entre eles.

 MILES, Margaret S. Support for Parents During a Child’s Hospitalization. A Nurse’s guide to helping parents cope. AJN. North Carolina, vol. 103, n. 2, p.24-30, feb, 2003.

Resumo: O artigo trata sobre um guia para o enfermeiro ajudar aos pais durante a hospitalização de uma criança, onde é feita uma abordagem crítica sobre os cuidados prestados pela equipe de enfermagem aos pais. O enfermeiro muitas vezes toma atitudes precipitadas, baseadas na avaliação do comportamento dos pais, o que é totalmente errado. O enfermeiro deve independentemente de qualquer coisa, assistir tanto ao paciente quanto a família, e tentar ao máximo estimular a aproximação dos pais com o neonato.

Comentários: Nem sempre o comportamento e atitudes que uma pessoa tem é o que ela  realmente gostaria de ter, na sua maioria, as pessoas são forçadas a fazer certas coisas por questões financeiras, pessoais e/ou outras dificuldades. Assim, não se deve nunca avaliar os comportamentos de uma pessoa sem conhecer o que a levou a tais atitudes.

Implicações de enfermagem: É necessário que haja menos preconceitos para que a assistência de enfermagem seja mais completa e humana. Pois, não se deve criticar as ausências dos pais e sim ajudá-los a estarem mais presentes, pelo menos tentar fazer com que o pouco tempo que “podem” passar com seus filhos sejam momentos agradáveis, proveitosos e fortalecedor do  vínculo pais e filho.

ROSSATO-ABÉDE, Lisabelle M.; ÂNGELO, Margareth. Crenças Determinantes da Intenção da Enfermeira Acerca da Presença dos Pais em Unidades Neonatais de Alto-Risco. Revista Latino-americana de Enfermagem. v.10, n.1, p.48-54, jan/fev, 2002.

Resumo: O artigo objetiva conhecer as crenças, as atitudes e as normas sociais determinantes da intenção da(o) enfermeira(o) em possibilitar a presença dos pais em unidades neonatais de alto-risco. A dificuldade da família em entender e aceitar o estado do filho reflete negativamente em relação a sua presença. Pois ao identificar as crenças como sendo a forma de como vemos o mundo, as crenças podem ser boas ou más para a saúde de alguém. Do ponto de vista da(o) enfermeira(o), o paciente está em intenso estado de ansiedade e, quanto mais estreita a relação com ele, mais se participa desse círculo, fazendo com que sinta medo e insegurança. Assim, tentando se proteger, a enfermeira alega justificativas que vão desde a interferência na dinâmica do serviço até a falta de disponibilidade.

Comentários: É difícil cuidar das pessoas friamente, evitar se emocionar, e mais difícil ainda é esperar isso dos pais. Parece-nos impossível modificar o comportamento de pais que têm seus filhos internados, principalmente se tratando de UTI neonatal. Mas é preciso trabalhar com ambos, serviço de enfermagem e pais, pois estes são estritamente necessários para a melhora do paciente, sendo que devem obter segurança e transmiti-la, tanto para a criança quanto uns aos outros.

Implicações de enfermagem: É preciso um trabalho psicológico intenso, tanto para os pais quanto aos profissionais de enfermagem. E o profissional de enfermagem deve ao máximo tentar não se envolver emocionalmente com seu paciente e nem deixar que o estado emocional dos pais o influenciem. Pois evitar a presença dos pais na UTI não parece uma atitude correta, desde que estes, emocionalmente equilibrados, possam transmitir confiança e uma crença positiva que ajude na recuperação do paciente.

AMERICAN Journal of Nursing.  The Phychosocial Dimension. Continually aware of their mortality, patients with LVADs require special care. AJN. North Carolina, vol. 103, n. 1, p.12-15, Jan, 2003.

Resumo: O artigo aborda sobe a dependência do dispositivo de ajuda ventricular esquerdo, causando assim preocupações estéticas e financeiras, além da falta de confiança da família no dispositivo e no estado que se encontra o paciente (para ter que utilizar desse dispositivo) causando assim o medo.

Comentários: Esse dispositivo permiti aos pacientes viverem por meses em casa, possivelmente anos, com suas famílias, mas há um preço: a dependência de alguém que lhe preste cuidados permanentemente.

Implicações de enfermagem: Nesse caso, é essencial o apoio emocional da família. A equipe de enfermagem pode ajudar orientando e encorajando o paciente e a família.

VIEIRA, Cláudia S.; ROSSI, Lídia A. Os Diagnósticos de Enfermagem da Taxonomia da Nanda em Mulheres com o Filho Prematuro Hospitalizado e o Sistema Conceitual de King. Revista Latino-americana de Enfermagem. Ribeirão Preto. v.8, n.6, p.110-116, dez, 2000.

Resumo: O artigo aborda o sistema conceitual de King e da Taxonomia I dos diagnósticos de enfermagem da NANDA para identificar os diagnósticos de enfermagem em mães com o filho prematuro em UTI neonatal. Discute os vários conflitos vividos pela mãe logo após o parto, como o papel de ser mãe, dona-de-casa e esposa.

Comentários: A mãe tem uma expectativa do que é ser mãe antes mesmo de pensar em ser uma, e quando vive a difícil situação de ter seu filho prematuro ou doente internado na UTI muitas vezes é abalada e/ou não sabe como agir perante a situação de ser mãe à distância, podendo até interferir em seu vínculo com o bebê.

Implicações de enfermagem: O enfermeiro deve apoiar a mãe, informando e orientando sempre sob o estado de saúde de seu filho. Deve fazer com que a mãe não se distancie da criança. E mesmo que não seja possível a presença dela na UTI, o enfermeiro deve ajudar a fazer com que a mãe se sinta próxima a seu filho, e isso pode ser feito através de conversas claras, abertas e informativas sobre a criança, sobre o que é ser mãe e a importância dela para o bebê, principalmente nessa fase da vida.


CONCLUSÃO

A necessidade de humanizar é clara e deve ser colocada como objetivo principal. A conscientização da equipe de saúde sobre o assunto ajuda para que ele seja melhor desenvolvido, não permitindo que por muitas vezes a má remuneração ou até mesmo a rotina, faça com que nos esqueçamos que estamos lidando com seres humanos, que necessitam de afeto, pois estão vulneráveis e que a nossa obrigação é ajudar. Uma das situações mais angustiantes é ficar internado em uma UTI. HEWITT (2002) mostra em seu trabalho que o quanto a UTI abala emocionalmente as pessoas, e de acordo com MILES (2003) o enfermeiro deve independentemente de qualquer coisa assistir tanto ao paciente quanto a família, e tentar ao máximo estimular a aproximação destes. Portanto é preciso uma relação harmônica entre pais, filhos e equipe de saúde, onde se buscará não somente a recuperação do neonato, como o fortalecimento do vínculo pais e filho.


REFERÊNCIAS

1. Belli MAJ. A Constatação do Filho Real: Representações Maternas sobre o Filho Internado na UTI Neonatal. Revista de Enfermagem UERJ. 2002 Sept/Dec; 10 (3): 165-170.

2. Gaíva MAM, Ferriani MGC. Prematuridade: Vivências de Crianças e Familiares. Acta Paulista Enfermagem. 2001 Jan/Abr; 14 (1): 23-29.

3. Gaíva MAM et. al. Assistência aos Pais de Recém-Nascidos Pré-Termo em Unidades Neonatais. Revista Brasileira de Enfermagem. 2002 Sept/Dec; 52(3): 78-83.

4. HEWITT, Jeanette. Psycho-affective Disorder in Intensive Care Units: A Review. Journal of Clinical Nursing. 2002 Mar; 11 (2): 575-584.
Jed EA Mother’s Perspective. AJN. 1999 Mar; 99 (3): 7-9.

5. Lima RAG et al. Assistência à Criança Hospitalizada: Reflexões acerca da Participação dos Pais. Revista Latino-americana de Enfermagem. 1999 Apr; 7 (2): 93-101.

6. Miles MS. Support for Parents During a Child’s Hospitalization. A Nurse’s guide to helping parents cope. AJN. 2003 Feb; 103 (2): 24-30.

7. Rossato-Abéde LM, Ângelo M. Crenças Determinantes da Intenção da Enfermeira Acerca da Presença dos Pais em Unidades Neonatais de Alto-Risco. Revista Latino-americana de Enfermagem. 2002 Jan/Feb; 10 (1): 48-54.

8. The Phychosocial Dimension. Continually aware of their mortality, patients with LVADs require special care. AJN. 2003 Jan; 103 (1): 12-15.

9.Vieira CS, Rossi LA. Os Diagnósticos de Enfermagem da Taxonomia da Nanda em Mulheres com o Filho Prematuro Hospitalizado e o Sistema Conceitual de King. Revista Latino-americana de Enfermagem. 2000 Dec; 8 (6): 110-116.

 


Received:  March 2004
Accepted:  March, 2004.