Untitled Document

RESUMO DE TESES E DISSERTAÇÕES

 

Percepção do pai sobre sua presença no nascimento do filho: estudo descritivo

 

 

Raimunda Maria de Melo1, Rosineide Santana de Brito1

1Universidade Federal do Rio Grande do Norte

 

 


RESUMO
Durante o processo da parturição, reconhece-se que o apoio dado à mulher pelo companheiro ultrapassa os cuidados técnicos dispensados nas maternidades pelos profissionais de saúde.
Objetivos: analisar a percepção de homens quanto à sua presença na sala de parto durante o nascimento de seu filho.
Método: pesquisa exploratória e descritiva de natureza qualitativa, cujos participantes foram homens/companheiros que estiveram presentes na sala de parto no nascimento do filho.
Resultados: os resultados apontam que a unanimidade dos participantes expressou a importância do homem estar presente na sala de parto e acompanhar o nascimento de seu filho. Tendo em vista esse entendimento, recomendaram a presença de outros homens durante o processo da parturição de suas respectivas companheiras.
Conclusão: é necessário valorizar a presença do companheiro no contexto parturitivo, visto ser ele o acompanhante ideal para a parturiente, pois as interações estabelecidas com a mulher são imprescindíveis para um trabalho de parto tranquilo.
Descritores: Enfermagem Obstétrica; Humanização da Assistência; Parto Humanizado.


 

Data da defesa: 22 de dezembro de 2011. Universidade Federal do Rio Grande do Norte – UFRN.
Examinadores:Akemi Iwata Monteiro, Cleide Maria Pontes, Jovanka Bittencourt Leite de Carvalho.
Referência: Melo RM. Percepção do pai sobre sua presença no nascimento do filho. Natal. Dissertação [ Mestrado em Enfermagem ] - Universidade Federal do Rio Grande do Norte; 2011. 

 

 

INTRODUÇÃO

Durante o processo da parturição, reconhece-se que o apoio dado à mulher ultrapassa os cuidados técnicos dispensados nas maternidades pelos profissionais de saúde, sobretudo se este for o companheiro, pois, como pai, ele desenvolve vínculos e interesse para com o nascimento do filho. A presença de um acompanhante na sala de parto é considerada como relevante, visto os benefícios para a parturiente como também para os familiares e a sociedade de modo geral(1). Baseado no exposto pressupõe-se que o homem/companheiro considera importante estar presente na sala de parto e compartilhar com a mulher a chegada do filho. Contudo, receia vivenciar essa ocasião sob justificativas de ordem diversas, por exemplo: medo, não gostar de ambiente hospitalar, não desejar ver sangue e devido ao horário de trabalho. Dentro dessa abordagem foi elaborada a seguinte questão de pesquisa: qual a percepção do homem/companheiro acerca de sua presença no momento do parto e nascimento de seu filho?

 

OBJETIVO

Analisar a percepção de homens quanto à sua presença na sala de parto durante o nascimento de seu filho.

 

MÉTODO

Trata-se de uma pesquisa exploratória e descritiva de natureza qualitativa. O projeto foi aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) sob parecer131/2011 e CAAE 0060.0.051.000-11. A coleta dos dados ocorreu no Hospital Universitário situado no município de Santa Cruz/RN, Brasil, o qual faz parte do complexo hospitalar da UFRN. Participaram da pesquisa homens/companheiros que estiveram presente na sala de parto no momento do nascimento do filho. A coleta de dados ocorreu entre os meses de junho a agosto de 2011, por meio de entrevista semiestruturada, após aquiescência da instituição, na pessoa de sua diretora, e assinatura do Termo de Consentimento Livre e Esclarecido pelos entrevistados. Os dados foram tratados de acordo com a análise de conteúdo segundo Bardin(2). Por meio da leitura exaustiva dos depoimentos, identificaram-se as unidades de registro que por um processo de codificação e categorização deram origem a três categorias: importância da presença do homem na sala de parto; percepção do homem acerca do processo parturitivo e; conhecimentos do homem relativos ao trabalho de parto e nascimento. A análise dos resultados teve como base os princípios do interacionismo simbólico segundo Blumer(3).

 

RESULTADOS

A pesquisa contou com a participação de 12 homens que estiveram presentes na sala de parto durante o nascimento do filho, com idade entre 22 e 45 anos, predominando a faixa etária de 22 e 29 anos. Evidenciou-se que os participantes detinham uma renda financeira baixa, pois a maioria declarou ganhar de ½ a 1 e ½ salário mínimo. Os resultados apontam que a unanimidade dos participantes expressou a importância do homem estar presente em sala de parto e acompanhar o nascimento de seu filho. Tendo em vista esse entendimento, recomendaram a presença de outros homens durante o processo da parturição de suas respectivas companheiras. Os depoentes afirmaram que a sua presença na sala de parto os levou a ter uma nova visão sobre a mulher. Ao acompanhá-la durante o pré-parto e o parto demostraram compreender esses períodos como algo que conduz a companheira ao sofrimento físico. Além disso, também sentiram os desconfortos oriundos dos estágios parturitivos. Portanto, em uma abordagem interacionista, os entrevistados perceberam a sua presença na sala de parto como um momento importante para a mulher, criança e para ele próprio. 

 

CONCLUSÃO

Destarte, os participantes do estudo perceberam a importância de sua presença no cenário da parturição e reconheceram o seu papel ao apoiar e incentivar a parturiente em trabalho de parto. Mediante os resultados, se faz necessário valorizar a presença do companheiro no contexto parturitivo, visto ser ele o acompanhante ideal para a parturiente. Pois, a sua presença em sala de parto garante o estabelecimento da interação com a mulher no momento em que ela mais precisa de apoio e de cuidados. Assim sendo, o homem, no âmbito da sala de parto, deve ser considerado agente ativo do processo da parturição. 

 

REFERÊNCIAS

1.Merighi MPB, Gualba DMR. O cuidado a saúde materna no Brasil e o resgate do ensino de obstetrizes para assistência ao parto. Rev latino-am enfermagem [ Internet ]. 2009 [ cited 2011 Apr 10 ] 17(2): 265-70. Available from: http://www.scielo.br/pdf/rlae/v17n2/pt_20.pdf

2.Bardin L. Analise de conteúdo. Lisboa: Edições 70; 2011.

3.Blumer H. Symbolic Interactionism perspective and method. California: Prentice-hall; 1969.

 

 

Orientadora: Rosineide Santana de Brito. Doutora em Enfermagem. Professora do Mestrado Acadêmico em Enfermagem da Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Natal, Brasil.

Endereço para correspondência:
Rua Francisca Gomes de Melo, 300, Bairro: Centro – Severiano Melo – RN – CEP: 59.856-000. E-mail: pazesolidariedade@hotmail.com

 

 

Recebido: 04/08/2013
Revisado: 08/08/2013
Aprovado: 09/08/2013