Cover Image

Repercussions of the climateric among nurses – an exploratory study

Mariana Nepomuceno Giron, Thamyres Campos Fonseca, Lina Marcia Miguéis Berardinelli, Lucia Helena Garcia Penna

Abstract


The climacteric presents some unique features, especially in relation to body functioning. Although women may experience symptoms due to hormonal, physical and psycho-emotional changes, they may claim that there is a lack of information. Aim: To identify the physical effects of the climacteric on professional nurses who are involved directly in healthcare. Methodology: This is an exploratory, descriptive study carried out with climacteric professional nurses at a University Hospital in Rio de Janeiro in 2010. Data were collected through semi-structured interviews and the results were subjected to content analysis. Results: Exhausting working hours associated with the physical effects of the climacteric increases the chances of alterations in nurses’ personal and professional lives. Conclusion: Considering that nursing is still a predominantly female profession, it is important to look at these professionals from a specific viewpoint, and take the repercussions of the climacteric period into consideration, including in terms of their professional processes and, ultimately, their life as a whole

Keywords


Nursing Professionals; Occupational Health; Woman.

References


Ministério da Saúde (Brasil). Assistência integral à saúde da mulher: bases da ação programática. Brasília: Ministério da Saúde; 1984.

Ministério da Saúde (Brasil). Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Mulher -Princípios e Diretrizes. Brasília: Ministério da Saúde; 2004. 80p.

Penna LHG, CLOS AC. Editorial. Rev Enf UERJ, Rio de Janeiro, 2009 jan/mar; 17(1):7.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística [Internet]. 2009 [acesso em 2009 out 05]. Disponível em: http://www.ibge.gov.br/paisesat/main.php.

Ministério da Saúde (Brasil). Manual de Atenção à Mulher no Climatério/Menopausa. Série A. Normas e Manuais Técnicos – Série Direitos Sexuais e Direitos Reprodutivos – Caderno, n.9. Brasília: Ministério da Saúde; 2008. 192p.

Trancoso E, Leone PB. A mulher na recuperação recente do mercado de trabalho brasileiro. Rev Bras Est Pop, São Paulo, 2008 jul/dez; 25(2):233-249.

Almeida LHRB, Luz MHBA, Monteiro CFS. Ser mulher no climatério: uma análise compreensiva pela enfermagem. Rev Enf UERJ, Rio de Janeiro, 2007 jul/set; 15(3):370-375.

Federação Brasileira das Sociedades de Ginecologia e Obstetrícia (FEBRASGO). Climatério: Manual de Orientação, 1995, 72p.

Zampieri MFM, Tavares CMS, Hames MLC, Falcon GS, Silva AL, Gonçalves LT. O processo de viver e ser saudável das mulheres no climatério. Esc Anna Nery Rev Enferm, Rio de Janeiro, 2009 abr/jun; 13(2):305-312.

Mendonça EAP. Representações médicas e de gênero na promoção da saúde no climatério/menopausa. Ciência & Saúde Coletiva, 2004; 9(1):155-66.

Freitas GL, Vasconcelos CTM, Moura ERF, Pinheiro AKBP. Discutindo a política de atenção à saúde da mulher no contexto da promoção da saúde. Rev. Eletr. Enf. [Internet]. 2009 [acesso em 2010 set 29];11(2):424-28. Disponível em: http://www.fen.ufg.br/revista/v11/n2/pdf/v11n2a26.pdf).

Kantoviski ALL, Vargens OMC. O cuidado à mulher que vivencia a menopausa sob a perspectiva da desmedicalização. Rev. Eletr. Enf. [Internet]. 2010 [acesso em 2012 set 10];12(3):567-70. Disponível em: http://www.fen.ufg.br/revista/v12/n3/v12n3a22.htm. http://dx.doi.org/10.5216/ree.v12i3.7589.

BERNI, NIO, LUZ MH, KOHLRAUSCH, SC. Conhecimento, percepções e assistência à saúde da mulher no climatério. Rev Bras Enferm, 2007, 60(3):299-306.

Guimarães LAM, Grubits S. Saúde mental e trabalho. São Paulo: Casa do Psicólogo;1999.

Pitta A. Hospital – dor e morte como ofício. 3 ed. São Paulo: Hucitec; 1994, 198p.

Ministério da Saúde (Brasil). Conselho Nacional de Saúde. Resolução 196/96. [acesso em: 2010 jun 10] Disponível em http://www.pucminas.br/documentos/pesquisa_cns.pdf.

Mininel, VA. Promotion of nursing workers quality of life (QOL): managerial responsibility of nurses. OBJN [Internet]. 2008. [Acesso em 2010 jun 10]; 7(3). Disponível em: http://www.objnursing.uff.br/index.php/nursing/article/view/j.1676-4285.2008.1866/417

Oliveira DM, Jesus MCP, Merighi MAB. Climatério e sexualidade: a compreensão dessa interface por mulheres assistidas em grupo. Texto & Contexto Enferm, 2008; 17(3):519-26.

Reis, LM; Moura,AL; Haddad, MCL; Vannuchi, MTO; Smanioto, FN. Influência do climatério no processo de trabalho de profissionais de um hospital universitário público. Cogitare Enferm. 2011 Abr/Jun; 16(2):232-39.

Ministério da Saúde (Brasil). Manual de Atenção à Mulher no Climatério/Menopausa. Série A. Normas e Manuais Técnicos – Série Direitos Sexuais e Direitos Reprodutivos – Caderno, n.9. Brasília: Ministério da Saúde; 2008.




DOI: https://doi.org/10.5935/1676-4285.20120048